Acesse Nossas Matérias

SEIFA- Seu Seminário Teológico

SEIFA- Seu Seminário Teológico
SEIFA- Seu Seminário Teológico

FAÇA TEOLOGIA CONOSCO!!!

SOMOS CREDENCIADOS PELA FACULDADE FAIFA (POR INTERMÉDIO DO SEMINÁRIO SEIFA), AMBOS INSTITUIÇÕES DE ENSINO LIGADOS À CONAMAD (CONVENÇÃO NACIONAL DOS MINISTROS DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL - MINISTÉRIO DE MADUREIRA). O SEMINÁRIO SEIFA FAZ PARTE DA FACULDADE FAIFA (INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR - PORTARIA Nº 3249 / 2002, CONFORME DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO, DATADO DE 28 /11 / 2002) E, POR ISSO, NOSSAS HORAS SÃO APROVEITADAS PARA FINS DE CARREIRA ESTUDANTIL COMO HORAS EXTRAS CURRICULARES, PODENDO SER APROVEITADAS EM OUTRAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR. MAIORES INFORMAÇÕES, ENTRE EM CONTATO CONOSCO E TEREMOS IMENSA SATISFAÇÃO DE FORNECER-LHE MAIORES INFORMAÇÕES. OBSERVE ATENTAMENTE O FOLDER / PANFLETO ACIMA E TIRE SUAS DÚVIDAS!!! Pastor GESSE JAMES LUCENA LIMEIRA (082 - 9 8863 2238 / 9 9940 2511)), PROFESSOR DE TEOLOGIA

PAGAMENTO DIGITAL SEGURO

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Cristã é presa sob falsas acusações de blasfêmia

PAQUISTÃO (14º) - Em um ato que os cristãos paquistaneses veem como mais um abuso das leis controvérsias de blasfêmia do país, Rubina Amjad, uma cristã, mãe de três filhos, foi acusada e presa juntamente com seu filho mais novo.

Nasir Saeed, diretor do Centro de Ajuda Legal, Assistência e Deslocamento (CLAAS), afirmou que Rubina, moradora de Alipur Chatta, uma cidade próxima a Gujranwala, foi acusada sob as leis de blasfêmia do Paquistão por supostamente fazer referências depreciativas ao profeta Maomé.

Nasir relembrou que três cristãos, Hussain Masih, Isaac Masih e Iqbal Sahar Ghouri, foram acusados de blasfêmia em 1999, mas o Supremo Tribunal absolveu os três em 2001.

O ativista de direitos humanos afirmou que, inicialmente, a polícia de Alipur negou ter prendido Rubina.

Os problemas começaram com Rubina descobriu que a ghee (tipo de manteiga líquida usado na culinária indiana feita de leite de vaca ou búfalo e clarificado através de fervura), que ela havia comprado de sua vizinha muçulmana por US$ 7,59, estava adulterada.

Então, Rubina foi até sua vizinha e pediu que ela devolvesse o dinheiro em troca da mercadoria.

No entanto, a vizinha Samina disse a Rubina que, como ela cristã e já havia tocado na manteiga, não poderia devolvê-la. A atitude de Samina levou as duas a discutirem verbalmente.

Um parente de Samina transformou a discussão em uma briga por motivos religiosos.

Mais tarde, Samina, um clérigo muçulmano e outros muçulmanos registraram uma queixa contra Rubina, alegando blasfêmia, o que pode condená-la a pena de morte.

Rubina foi enviada para a prisão com seu filho de um ano, e o restante da família se escondeu.

Ore por essa família e por todos os cristãos paquistaneses, pois os cidadãos desse país têm abusado da lei de blasfêmia para prejudicar os cristãos.

Tradução: Missão Portas Abertas

Fonte: ANS
***********************************************************************************************

Nenhum comentário:

Postar um comentário